Alimento Mental é pra toda vida!

Função-do-cordão-umbilicalbebecriança feliz

 

… No útero materno eles se alimentam, diariamente, de formas mentais, sem utilizarem a boca física, valendo-se da capacidade de absorção do organismo perispirítico, mas ainda não sentem a extensão desses fenômenos em suas experiências diárias.

No lar, na via pública, no trabalho, nas diversões, cada criatura recebe o alimento mental que lhe é trazido por aqueles com quem convive temperado com o magnetismo pessoal de cada um.

Dessa alimentação dependem, na maioria das vezes, mormente para a imensa percentagem de encarnados que ainda não alcançaram o domínio das próprias emoções, … os estados íntimos de felicidade ou desgosto, de prazer ou sofrimento.

O homem absorve matéria mental, em todas as horas do dia, ambientando-a dentro de si mesmo, nos círculos mais íntimos da própria estrutura fisiológica.

Nunca sentiu a perturbação do fígado, depois de um atrito verbal?  Jamais experimentou o desequilíbrio momentâneo do coração, recebendo uma notícia angustiosa?  Por que a desarmonia orgânica, se a hora em curso era, muitas vezes, de satisfação e felicidade?

É que, em tais momentos, o homem recebe “certa quantidade de força mental” em seu campo de pensamento, como o fio recebe a “carga de eletricidade positiva” O ponto de recepção está efetivamente no cérebro, mas se a criatura não está identificada com a lei de domínio emotivo, que manda selecionar as emissões que chegam até nós, ambientará a força perturbadora dentro de si mesmo, na intimidade das células orgânicas, com grande prejuízo para as zonas vulneráveis.

Fonte: MISSIONÁRIOS DA LUZ –  Francisco Cândido Xavier – André Luiz

 

Cada ave em seu ninho

 

images

O mal reside na furna da ignorância.

O ódio respira nas trincheiras da discórdia.

A inveja mora no deserto da insatisfação.

A tristeza improdutiva desabrocha no abismo do desânimo.

A perturbação cresce no precipício do dever não cumprido.

O desequilíbrio desenvolve-se no despenhadeiro da intemperança.

A crueldade nasce no pedregulho da dureza espiritual.

A maledicência brota no espinheiral da irreflexão.

A alegria reside no coração que ama e serve.

A tranquilidade não se aparta da boa consciência.

A fé reconforta-se no templo da confiança.

A solidariedade viceja no santuário da simpatia.

A saúde vive na submissão à Lei Divina.

O aprimoramento não se separa do serviço constante.

O dom de auxiliar mora na casa simples e acolhedora da humildade.

Cada ave em seu ninho, cada coisa em seu lugar.

Há muitas moradas para nossa alma sobre a própria Terra.

Cada criatura vive onde lhe apraz e com quem lhe agrada.

Procuremos a estrada do verdadeiro bem que nos conduzirá à felicidade perfeita, de vez que, segundo o ensinamento do Evangelho, cada espírito tem o seu tesouro de luz ou o seu fardo de sombra, onde houver colocado o próprio coração.

  • Fonte: Emmanuel por Francisco Cândido Xavier.
  • Livro: Construção do Amor. Lição nº 10. Página 51

 

A vida lhe cobra por felicidade

felicidadeQue a paz e o amor estejam entre todos. Paz, alegria e felicidade, eis a fórmula da vida. Vivemos em esferas diferentes, por períodos determinados e objetivos múltiplos, mas, no amor a vida e ao viver pelo próximo está toda a nossa razão de tantos aprendizados seguidos, por toda a eternidade. DEUS nosso PAI e Jesus nosso Mestre nos oferece essa oportunidade a cada novo dia; sejamos todos conscientes do progresso que alcançamos a cada obstáculo que vencemos.

Querido irmão Roberto Sou Eleonora de Jesus, trabalho na Colônia a mais tempo do que você possa imaginar, estive por várias vezes no planeta terra e muitas delas no Brasil de todos nós, digo todos nós, pois, é uma região de exuberância, muitos estão à espera da vivência na carne neste país tão significativo para o progresso espiritual. Muitos são os espíritos de altíssimo nível que já estiveram entre vocês e inúmeros outros já estão e tantos outros se preparam para descer por conta do ajuste a transição.

Minhas palavras são direcionadas aos que estão sob a influencia direta desta transição, espíritos sensíveis, ainda pouco capazes de se auto equilibrar e que vibram ainda sob a influência da matéria. Sofrem os queridos irmãos, com a inobservância da vigília, desconfiam do amor bendito que lhes protege e das mãos que lhes são estendidas, em amparo as angústias e as dores.

Queridos irmãos, ainda que tua estadia na terra se finde, haverá de continuar as dores da transição, não busque entre os homens encarnados o alívio a estes sofrimentos, todos são passageiros e cabe a cada um viver para aprender, muitos já sabem como desprender-se da dor pela aceitação e resignação, outros absorvem, interiorizam e transformam em doenças, onde não havia.

Cada um aprende com o seu sofrer, aquilo que lhe é próprio.

Muitos quando tiverem a oportunidade desta leitura, estarão vivenciando essas dores, outros irão vive-las em breve momento e há os que estão ao vosso lado para vos aliviar o fardo, de mãos estendidas e de peito aberto e que se coloca em vosso caminho, por orientação do Mestre Jesus. Creia filho de DEUS, não há um só instante que passas por aprendizados maiores que a vossa capacidade de compreensão e solução – Tudo vos chega ao propósito do progresso, sede feliz, por quanto nos lhe desejamos a alegria por toda a eternidade

Fique na luz do amado Mestre Jesus, que por ti, me permitiu hoje lhe trazer este abraço amoroso, nas palavras que vos indico, seja feliz a vida lhe cobra por felicidade.

Eleonora de Jesus

Texto canalizado pelo Médium Roberto Barros para o Livro Colônia Brasil.

Felicidade

igatossA felicidade encontra solução eficaz no comportamento íntimo do indivíduo em relação à vida.

Por que transferir para o futuro o momento de ser feliz, quando se pensa em conseguir determinados valores, que possivelmente não possuirão para completar o quadro de harmonia e destino pessoal?

Pode-se e deve-se ser feliz em cada instante, pois tal conquista procede do estado de espírito e não dos recursos materiais amealhados de que se pode dispor.

O dinheiro soluciona alguns problemas; projeta a personalidade; promove socialmente o indivíduo, mas não resolve as situações interiores, nas quais estão as bases da harmonia como do desequilíbrio.

É necessário valorizar-se o que realmente pode proporcionar a felicidade e não os seus acessórios. Digamos, então, que esta é um estado mental, variando de pessoa para pessoa, conforme o seu grau de evolução, portanto, a sua aspiração maior.

As conquistas materiais não dispõem do poder de fazer as criaturas felizes. Podem diminuir-lhes a aflição, atender a algumas necessidades, minorar amarguras, gerar bem-estar e conforto…

Esperando-se conseguir a felicidade, mediante as dádivas da fortuna, por exemplo, perdem-se muitos instantes felizes que dificilmente retornarão.

Essa felicidade dourada, sem preocupações, ociosa, não existe; é miragem que se dilui ante a realidade.

Podes conseguir o estado mental de felicidade permanente, crendo que ela é propiciada pelo amor a Deus, que a deposita nos teus sentimentos, a fim de que aí a descubra, brindando às demais pessoas.

Assim, não obstante as mudanças e circunstâncias em que te encontres, alterando o ritmo dos assuntos e acontecimentos externos, ela permanecerá contigo, porque está em ti.

O vendaval das paixões não a expulsa;

A frialdade do abandono não a empalidece;

O granizo da ofensa não a fere;

O ouro das ambições não a entorpece;

A fogo das lutas cruzadas não a atinge.

Ela permanece serena, e qual chama abençoada, com a sua luz aponta o caminho seguro a seguir, aclamando as ansiedades do coração.

Felicidade (Divaldo Pereira Franco)

Assim que é;

sem_fronteiras
Olhamos as nossas necessidades com olhos de importância menor que de outrora, só para não carregar o olhar com coisas do passado, bagagem demais atrapalha.

As palavras ditas sobre nós pelos outros, são palavras dos outros e não nossas e; não somos os outros, então, deixem que digam; a nós dizem apenas nada.

Crer é complicado, acreditar é mais complicado ainda, por isso aprendemos uma coisa sobre todas as coisas; elas mudam e; se mudam pra que constituir crenças.

O que vem nos faltando todos os dias é sempre menor do que ganhamos ao final de cada dia, assim, vivemos no lucro sempre com aquilo que nos cabe.

Sobre os outros, sabemos que não vamos muda-los, assim, só este simples saber é toda a mudança que podemos fazer em nós sobre os outros.

Quando erramos, é por tempo certo e prazo determinado, se aqui podemos corrigir, lá em cima vamos refinar ou vice e versa, assim, o erro é também o que nos acerta, sem ele; vamos melhorar em que?

Descobrimos que coisas e pessoas boas ou ruins fazem parte do nosso viver e são necessárias para crescermos, selecionarmos e superarmos, então a paz e o equilíbrio é o movimento para o bem viver sem tristeza ou medo.

Quanto ao amor, já entendemos que ele não vem do corpo, mas, da alma, que não serve apenas para se dizer ao outro, mas, para favorecer a todos; descobrimos como fazer crescer, irradiar e brilhar além de nós, e que isso se chama caridade e que isso tudo cabe no coração e que quando a gente morre não perde nada de importante e fica com tudo que é significante.

E entre as coisas que fazemos a melhor e mais contemporânea é promover a paz e incentivar ao outro no sentido da esperança.

A guerra é entre egos não mais entre povos ou nações, a fome do corpo é também a da alma e o DEUS é de todos e por todos.

Mas, entre as coisas, descobrimos a que realmente importa é o amor, esse é o estopim, que incendeia e faz a luz que nos banha todos os dias hoje aqui e amanhã em algum outro lugar.

E se por algum motivo a gente ainda erra é que certamente ainda não estamos prontos para só acertar, o tentar também é viver é antes de tudo; fé e esperança que um dia tudo será certo, assim que é!

Roberto Barros

Se você pensar

imagesDiz você que a palavra do companheiro é agressiva demais; no entanto, se você pensar nas frases contundentes que lhe saem da boca, nem de leve passará sobre o assunto.

Diz você que o amigo praticou erro grave; contudo, se você pensar nos delitos maiores que deixou de cometer, simplesmente por fugir-lhe a oportunidade, não encontrará motivo de acusação.

Diz você haver sofrido pesada ofensa; entretanto, se você pensar quantas vezes tem ferido os outros, olvidará, incontinenti, as falhas alheias.

Diz você que não suporta mais os trabalhos com que os familiares lhe tributam as horas, mas se você pensar nos incômodos que a sua existência tem exigido de todos eles, não terá gosto de reclamar.

Diz você que os seus sacrifícios são muito grandes, em favor do próximo; no entanto, se você pensar nas vidas que morrem diariamente, para que você tenha a mesa farta, decerto não falará mais nisso.

Diz você que as suas necessidades são invencíveis; contudo, se você pensar nas privações daqueles que seriam infinitamente felizes com as sobras de sua casa, não tropeçaria na queixa.

Diz você que não pode ajudar na beneficência, em razão de velha enxaqueca; contudo, se você pensar naqueles que jazem no leito dos hospitais, implorando um momento de alívio, não adiará seu concurso.

Diz você que não dispõe de tempo para o cultivo da caridade, mas se você pensar nos mil e quatrocentos e quarenta minutos que você possui, cada dia, para viver na Terra, não se esconderá em semelhante desculpa.

Em todo assunto de falta e perdão, não nos demoremos visando os outros. Pensemos em nós próprios e preferiremos fazer silêncio, extinguindo o mal.

Pelo Espírito André Luiz. Psicografia de Francisco Cândido Xavier.
Livro: O Espírito da Verdade. Lição nº 73. Página 168.

O melhor raramente é aquele que concorda conosco

thank you

Todos experimentamos a tendência de consagrar a maior estima apenas àqueles que leiam a vida pela cartilha de nossos pontos de vista. Nosso devotamento é sempre caloroso para quantos nos esposem os modos de ver, os hábitos enraizados e os princípios sociais; todavia, nem sempre nossas interpretações são as melhores, nossos costumes os mais nobres e nossas diretrizes as mais elogiáveis.

Daí procede o impositivo de desintegração da concha do nosso egoísmo para dedicarmos nossa amizade e respeito aos companheiros, não pela servidão afetiva com que se liguem ao nosso roteiro pessoal, mas pela fidelidade com que se norteiam em favor do bem comum.

Se amamos alguém tão-só pela beleza física, é provável encontraremos amanhã o objeto de nossa afeição a caminho do monturo.

Se estimamos em algum amigo apenas a oratória brilhante, é possível esteja ele em aflitiva mudez, dentro em breve.

Se nos consagramos a determinada criatura só porque nos obedeça cegamente, é provável estejamos provocando a queda de outros nos mesmos erros em que temos incidido tantas vezes.

É imprescindível aperfeiçoar nosso modo de ver e de sentir, a fim de avançarmos no rumo da vida superior.

Busquemos as criaturas, acima de tudo, pelas obras com que beneficiam o tempo e o espaço em que nos movimentamos, porque, um dia, compreenderemos que o melhor raramente é aquele que concorda conosco, mas é sempre aquele que concorda com o Senhor, colaborando com ele, na melhoria da vida, dentro e fora de nós.

“E que os tenhais em grande estima e amor por causa da sua obra.” – Paulo.
(TESSALONICENSES, 5:13.). Esta passagem de Paulo, na Primeira Epístola aos Tessalonicenses, é singularmente expressiva para a nossa luta cotidiana.

Fonte: Emmanuel/Francisco Cândido Xavier