Muito Obrigado por seu amor e carinho!!

11265279_423752951130140_6708594177496564282_nEsta é a primeira expressão de agradecimento que queremos trazer a todos os nossos amigos, de perto ou de longe, que nos ajudaram em mais uma missão!
A ação entre amigos de Marsilac foi um grande sucesso, graças à sua ajuda! Foram centenas de atendimentos, brincadeiras com os assistidos, muito amor e calor humano compartilhado com nossos irmãos.
Graças aos nossos amigos e colaboradores que puderam doar também sua mão-de-obra, organizamos um grande atendimento aos nossos irmãos da melhor idade. Fizemos um atendimento direto para eles, onde eles puderam participar de brincadeiras, atividade de pintura, e claro, houve muita troca de amor e carinho onde todos saem ganhando.
Toda comunidade atendida pela UBS de Marsilac recebeu sua parcela de cobertores, que foi devidamente distribuída pelos agentes comunitários que os assistem regularmente. No local, os nossos irmãos mais idosos receberam seus cobertores durante seu atendimento nesta festinha que foi organizada especialmente para eles.
E não é que o tempo mudou? Exatamente na semana que fizemos a entrega, vemos que este presente chegou à estas famílias na hora certa. Fantástico,não?
Só nos resta agradecer a todos vocês que colaboraram para que esta missão fosse um grande sucesso. Tal qual nosso patrono já nos diz em sua oração, é dando que se recebe. Queremos acreditar que esta boa ação tenha feito toda a diferença na vida destes nossos irmãos. E nas nossas também.
Um fraterno abraço, e novamente muito obrigado por acreditar e apoiar nossas iniciativas!

Anúncios

Dica da Yaxkin – A abóbora e o colesterol

AboboraExplicação de um professor a cerca da redução dos índices de cinco principais parâmetros do sangue, ou seja: ureia, colesterol, glicemia, lipídeos e triglicerídeos que apresentavam valores que em muito excediam os níveis permitidos, a partir do Suco da Casca da Abobora.

Semanalmente, por 4 semanas, compre, na feira ou em supermercado, pedaços de abóbora. Não deve ser a abóbora moranga e sim a abóbora grande, que costuma ser usada para fazer doce. Diariamente, corte 100 gramas de casca (sem polpa) da abóbora, coloque os pedaços no liquidificador junto com água (SÓ ÁGUA!), e bata bem, fazendo uma vitamina de abóbora com água.

Tome essa vitamina em jejum, quinze a vinte minutos antes do desjejum (café da manhã). Faça isso durante um mês, toda vez que o seu sangue precisar ser corrigido. Poderá controlar o resultado, fazendo uma análise antes e outra depois do tratamento com a abóbora. De acordo com o médico, não há qualquer contra-indicação, por tratar-se apenas de um vegetal natural e água (não se usa açúcar!).

O professor, excelente engenheiro químico, estudou a abóbora para saber qual ou quais ingredientes ativos ela contém e concluiu, pelo menos parcialmente, que nela está presente um solvente do colesterol de baixo peso molecular, o colesterol mais nocivo e perigoso. Durante a primeira semana, a urina apresenta grande quantidade de colesterol LDL (de baixo peso molecular), o que se traduz em limpeza das artérias, inclusive as cerebrais, incrementando, assim, a memória da pessoa.

Há apenas um inconveniente: o sabor da abóbora crua não é muito agradável! Nada mais. Se for o seu caso, experimente e constatará o resultado. Porém, há um detalhe importante: nem a abóbora, nem a água poderão ir para a geladeira, porque a refrigeração destrói os ingredientes ativos da vitamina. Esta é a razão de ter que comprar, semanalmente, a abóbora,
pois, fora da geladeira, ela estraga rapidamente.

Para saber mais; http://www.facebook.com/YaxkinConscienciaEBemEstar

Viste: http://www.yaxkin.com.br/index.html

Os significados da Páscoa

ovos-de-pascoaVocê já deve ter percebido, pelas prateleiras abarrotadas de ovos e coelhos de chocolate, que se aproximam os dias da Páscoa. Os meios de comunicação, em geral, não lhe deixariam esquecer tal data.

Se, no entanto, alguém lhe perguntasse o que é a Páscoa, você saberia responder? Qual a relação com ovos, coelhos e chocolates?

Tem-se notícias de que os israelitas, bem antes de Moisés, celebravam a Páscoa, sempre na primeira lua cheia da primavera, quando ofereciam à Divindade os primogênitos do seu rebanho.

A palavra em aramaico pashã, em hebraico pesah (pessach), significa a passagem. Segundos uns, do sol pela constelação do carneiro ou da lua pelo seu ponto mais alto. Nas línguas saxônicas o nome indica uma associação com o mês de abril, quando se comemorava a morte do inverno e a recuperação da vida, a chegada da primavera.

O sentido de passagem é relacionado no livro bíblico Êxodo. Foi na época da Páscoa que se deu a libertação do povo hebreu.

Cerca de quinze séculos antes de Cristo, depois de ter vivido cerca de quatro séculos no Egito, duramente tratado pelos faraós, conseguiu o povo de Israel abandonar para sempre a terra da escravidão. Naquela noite, os hebreus se serviram da carne assada de um cordeiro, pães ázimos, isto é, sem sal e fermento e alfaces amargas.

Em memória daquela noite, todo ano, pelo catorze de Nisan (o mês de abril), os chefes de família celebravam a Páscoa comemorando agora a libertação do cativeiro egípcio.

Os Evangelhos nos dão notícias da última ceia de Jesus com os Apóstolos justamente à época da Páscoa. A paixão, morte e ressurreição de Jesus coincidiram com essa festa.

Para os cristãos, a data deve lembrar a ressurreição do Cristo. Após a Sua morte na cruz, Ele se mostra vivo para os Apóstolos, discípulos e amigos.

Em corpo espiritual, Ele penetra em recintos fechados, aparece e desaparece, fala em tom breve. Seus discípulos sentem que já não é um homem. É, no entanto, o amigo que retorna para orientar, esclarecer.

Jesus voltou, indicando que a morte não existe, provando todas as Suas palavras, dando testemunho da Imortalidade. Paulo de Tarso, o Apóstolo dos Gentios, afirmava que se o Cristo não ressuscitara, vã seria nossa fé.

O costume de oferecer ovos como presente, nessa época, remonta aos antigos egípcios. Entre nós, o costume foi trazido por missionários que visitaram a China.

Só que antigamente, eram ovos mesmo, de pata ou de galinha, coloridos e enfeitados, depois transformados em ovos de chocolates.

Para alguns historiadores, o coelho, por ser o animal que mais se reproduz, traduz antigos ritos da fertilidade.

Assim, a Páscoa para o cristão deve lhe trazer à memória o ensino vivo da Imortalidade, atestado pelo próprio Cristo.

Recordar Jesus, pois, Seus ditos e Seus feitos: eis a verdadeira comemoração da Páscoa.

Importante que nos libertemos de ritualismos, de cultos exteriores, que nos retardam o progresso. Só então o Reino de Deus fará morada em todos os corações, realizando-se a reforma íntima de todos os homens.

* * *

Os ovos de chocolate foram introduzidos no Brasil entre os anos de 1913 e 1920, por imigrantes alemães. Foi a partir do século XVIII que se passou a incorporar o ovo de chocolate na comemoração da Páscoa.

Redação do Momento Espírita.

Fonte: http://www.espiritbook.com.br

Feliz Natal a todos os amigos da nossa alma!

Amigo de minha alma “Anam Cara”
Anam Cara é uma expressão celta que significa
“Amigo de minha alma” ou “amigo d’alma”.

Há duas maneiras de interpretar o Anam Cara:
1. Neste plano fenomênico de manifestação densa, ele é o seu amigo (a) querido (a), aquela pessoa com a qual você poderá contar em qualquer ocasião, mesmo quando todos tiverem voltado as costas para você. E mais: é aquela pessoa à qual você pode abrir o coração com confiança. Quando você pensa nela, algo em seu coração brilha mais. Você sabe que ela existe e está no mesmo plano que você. Sabe que ela é valiosa e que, só de ver você, já sabe como você está, pois ela lhe conhece profundamente, além das aparências. Ela sabe sentir você em espírito.

2. Em outros planos mais sutis, ele é o amparador, aquela consciência extrafísica que lhe ajuda invisivelmente. Ele é aquele que lhe conhece há muitas vidas. Sabe dos seus dramas e de seus acertos ao longo dos milênios. Pode até ter participado dos eventos anteriores junto com você, tanto na carne quanto além dela. Porém, no momento ele está em outra condição vibracional. Mas não esqueceu de você!

Muitas vezes, ele mergulha nos planos mais densos para lhe apoiar invisivelmente. Você não percebe sua presença, mas ele vela secretamente pelo seu progresso. Ele não é uma divindade, é apenas o seu amigo invisível, um Anam Cara extrafísico.

O Anam Cara poderá ser o seu filho (a), seu parceiro (a), seu irmão, seu pai, sua mãe, seu parente, ou apenas um amigo que você reconheceu ao longo da vida.

Não importa nada disso. O laço real não está na carne nem no sangue, está na alma. Por isso, o Anam Cara independe de idade, raça ou condição.

Você o reconhecerá pelo brilho do olhar, sentirá o seu coração pulsando junto com o seu, sentirá muita saudade dele e reconhecerá a sua riqueza interior. No entanto, muitas vezes o orgulho poderá bloquear tal percepção, e é possível que os seus olhos não o vejam, e que seu coração não o reconheça mais. Então, o coração não falará mais ao coração no silêncio de uma vibração silenciosa trocada no olhar da alma. Haverá apenas o olhar que percebe o convencional, e que se perde nele em meio à dor de tentar achar o Anam Cara aonde ele não está.

Sentir alguém que é um Anam Cara em sua vida, seja ele o irmão, o amigo ou o parceiro, é sentir-se acompanhado na existência por uma alma brilhante. É viajar pelo denso enganoso acompanhado de alguém que também vê algo além…
É sentir-se ligado em alma, dentro do coração.

O Anam Cara é seu refúgio dentro da loucura em volta. É o porto que a nave de seu coração gosta de aportar em meio à tempestade.

Pense numa canção que lhe fala ao coração. Ao ouvi-la, você lembrará de muitas coisas. O Anam Cara é semelhante a essa música. Quando você lembra dele, o coração viaja…

Ele pode ser seu amigo, amparador, irmão ou parceiro. Tanto faz. O que vale mesmo é que ele é uma riqueza que você achou no mundo.

O Anam Cara é isso: um amigo d’alma.

Nesse aspecto, o TODO é o amigo d’alma de todos os seres.
E como o TODO está em tudo, Ele também está nos amigos d’alma, desse e de outros planos.

Pode-se gostar de alguém em vários níveis: mental, emocional, energético ou sexual. Porém, a ligação do Anam Cara transcende esses níveis e chega ao espírito. Por isso, os celtas antigos reverenciavam o conceito de Anam Cara.

Para eles, tratava-se de uma riqueza sem paralelos. E eles sabiam que as ligações que não são em espírito e verdade, são apenas manifestações temporárias e irrisórias ao sabor dos pensamentos, emoções e energias do momento.

Para eles, o real sempre foi o espírito eterno, não a bruma que dificulta a percepção. Por isso, os poetas cantavam:

“Oh, Anam Cara! Muitos outros vieram,
mas só sinto Tua comunhão sagrada.
Só escuto a tua canção.
Ali está o sol, Mais tarde virá a lua.
Mas, só me importa a tua canção”.

O Anam Cara é isso: uma riqueza sem paralelos.
Só o coração é que sabe. Só ele é que sente.

Certa vez, o mestre Bábaji ensinou:
“Quando o coração fala ao coração, não há mais nada a dizer”.

O Anam Cara, seja ele(a) quem for, é um presente da vida ao coração.
Sua ligação não vem da Terra, mas do espírito!

Que as pessoas conscientes possam reconhecer o Anam Cara pelo coração.

Fonte: Wagner Borges

KARDEC E CHICO – MERAS COINCIDÊNCIAS?



Kardec - Chico1 – O nome “Francisco”, de Francisco Cândido Xavier, tem o significado de “pequeno francês”, sendo que o nome “Hippolyte” e “Francisco” contêm o mesmo número de letras – 9!

2 – Kardec foi sepultado no dia em que Chico Xavier nasceu, ou seja: 2 de abril!

3 – Tanto o corpo de Allan Kardec quanto o de Chico Xavier foi velado durante 48 horas, o que, convenhamos, principalmente no Brasil, não é nada comum.

4 – A soma dos numerais do nascimento de Allan Kardec – 3 -10-1804 – e a de Chico Xavier – 02-04-1910 – apresenta o mesmo número como resultado: 17.

5 – Chico se tornou espírita, em 1927, com 17 anos de idade. A primeira mensagem que ele recebeu do Mundo Espiritual, no dia 8 de julho de 1927, continha 17 páginas!

6 – Os nomes “Allan Kardec” e “Chico Xavier” contêm 11 letras cada um.

7 – A 1ª sessão espírita de que Kardec participou foi no mês de maio, o mesmo acontecendo com Chico Xavier, que se tornou espírita no mês de maio.

8 – Maio de 1855 e maio de 1927… A soma de cada uma das duas datas é24!

9 – Foi no dia 2 de abril (data de nascimento de Chico Xavier) de 1858, que Kardec começou a realizar sessões na “Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas”.

10 – Kardec e Chico possuíam estatura meã, ou seja, mediam em torno de 1,65 m. de altura.

11 – Chico Xavier dizia que, durante 40 anos preparou-se, no Mundo Espiritual, para ser médium na Terra. Entre a desencarnação de Kardec, ocorrida em 1869, e o nascimento de Chico, em 1910, passaram-se exatamente 40 anos.

12 – No dia 3 de outubro, data de nascimento de Allan Kardec, de 2012,Chico Xavier foi eleito o brasileiro mais importante da História!

INÁCIO FERREIRA – Uberaba – MG, 3 de dezembro de 2012.

15 de Novembro Dia Nacional da Umbanda

Casa de Zélio Fernandino de Moraes

Referência Histórico-Literária

A mais antiga referência literária e denotativa ao termo Umbanda é de Heli Chaterlain, em Contos Populares de Angola, de 1889. Lá aparece a referência à palavra Umbanda, como: curador, magia que cura, sinônimo de Kimbanda.

Visão Esotérica sobre o vocábulo Umbanda

Segundo a corrente esotérica que existe na Umbanda, a origem do vocábulo Umbanda estaria na raiz sânscrita AUM que, na definição de Helena Petrovna Blavatsky, em seu Glossário Teosófico, significa a sílaba sagrada; a unidade de três letras; daí a trindade em um. É uma sílaba composta pelas letras A, U e M (das quais as duas primeiras combinam-se para formar a vogal composta O). É a sílaba mística, emblema da divindade, ou seja, a Trindade na Unidade (sendo que o A representa o nome de Vishnu; U, o nome de Shiva, e M, o de Brahmâ); é o mistério dos mistérios; o nome místico da divindade, a palavra mais sagrada de todas na Índia, a expressão laudatória ou glorificadora com que começam os Vedas e todos os livros sagrados ou místicos.

As outras palavras componentes se supõem, como: Bandha, de origem sânscrita, no mesmo glossário significa laço, ligadura, sujeição, escravidão. A vida nesta terra.

Autores dessa corrente esotérica, analisando as duas palavras, definiram Umbanda como sendo a junção dos termos Aum + Bandha, que seria o elo de ligação entre os planos divino e terreno. A palavra mântrica Aumbandha foi sendo passada de boca a ouvido e chega até nós como Umbanda.

Formas variadas da Umbanda

A incorporação de guias também ocorreu em outras religiões como no Candomblé de Caboclos (desde de 1865 – as primeiras manifestações de Caboclos, Boiadeiros, Marinheiros, Crianças e Pretos-velhos aconteceram dentro do Candomblé de Caboclos), no Catimbó e em centros Espíritas (onde não eram aceitos e, muitas vezes, expulsos ou pedidos a se retirar, por serem vistos como espíritos não evoluídos, ou mesmo, como obsessores).

Uma das versões mais aceitas popularmente, mas não cientificamente, pois não existe documentação da época para corroborá-la, é a sobre o médium Zélio Fernandino de Moraes.

Diz essa versão que Zélio, em 15 de novembro de 1908, acometido de doença misteriosa teria sido levado a Federação Espírita de Niterói e, em determinado momento dos trabalhos da sessão Espírita manifestaram-se em Zélio espíritos que diziam ser de índio e escravo. O dirigente da Mesa pediu que se retirassem, por acreditar que não passavam de espíritos atrasados (sem doutrina). Mais tarde, naquela noite, os espíritos se nomearam como Caboclo das Sete Encruzilhadas e Pai Paulo.

Devido à hostilidade e a forma como foram tratados (como espíritos atrasados por se manifestarem como índio e um negro escravo). Essas entidades resolveram iniciar uma nova forma de culto, em que qualquer espírito pudesse trabalhar.

No dia seguinte, dia 16 de novembro, as entidades começaram a atender na residência de Zélio todos àqueles que necessitavam, e, posteriormente, fundaram a Tenda espírita Nossa Senhora da Piedade.

Essa nova forma de religião inicialmente foi chamada de Alabanda, mas acabou tomando o nome de Umbanda. Uma religião sem preconceitos que acolheria a todos que a procurassem: encarnados e desencarnados, em todas bandas.

Zélio foi o precursor de um “trabalho Umbandista Básico” (voltado à caridade assistencial, sem cobrança e sem fazer o mal e priorizando o bem), uma forma “básica de culto” (muito simples), mas aberta à junção das formas já existentes (ao próprio Candomblé nos cultos Nagôs e Bantos, que deram origem às religiões mais africanas – Umbanda Omolokô, Umbanda de pretos-velhos; ou aquelas formas mais vinculadas à Doutrina Espírita – Umbanda Branca; ou aquelas formas oriundas da Pajelança do índio brasileiro – Umbanda de Caboclo; ou mesmo formas mescladas com o esoterismo de Papus – Gérard Anaclet Vincent Encausse, esoterismo teosófico de Helena Petrovna Blavatsky (1831-1891), de Joseph Alexandre Saint-Yves d´Alveydre – Umbanda Esotérica, Umbanda Iniciática, entre outras) que foram se mesclando e originando diversas correntes ou ramificações da Umbanda com suas próprias doutrinas, ritos, preceitos, cultura e características próprias dentro ou inerentes à prática de seus fundamentos.

Hoje temos várias religiões com o nome “Umbanda” (Linhas Doutrinárias) que guardam raízes muito fortes das bases iniciais, e outras, que se absorveram características de outras religiões, mas que mantém a mesma essência nos objetivos de prestar a caridade, com humildade, respeito e fé.

Alguns exemplos dessas ramificações são:

  • Umbanda tradicional – Oriunda de Zélio Fernandino de Moraes;
  • Umbanda Branca e/ou de Mesa – Nesse tipo de Umbanda, em grande parte, não encontramos elementos Africanos – Orixás -, nem o trabalho dos Exus e Pomba-giras, ou a utilização de elementos como atabaques, fumo, imagens e bebidas. Essa linha doutrinária se prende mais ao trabalho de guias como caboclos, pretos-velhos e crianças. Também podemos encontrar a utilização de livros espíritas como fonte doutrinária;
  • Omolokô – Trazida da África pelo Tatá Tancredo da Silva Pinto. Onde encontramos um misto entre o culto dos Orixás e o trabalho direcionado dos Guias;
  • Umbanda Traçada ou Umbandomblé – Onde existe uma diferenciação entre Umbanda e Candomblé, mas o mesmo sacerdote ora vira para a Umbanda, ora vira para o candomblé em sessões diferenciadas. Não é feito tudo ao mesmo tempo. As sessões são feitas em dias e horários diferentes;
  • Umbanda Esotérica – É diferenciada entre alguns segmentos oriundos de Oliveira Magno, Emanuel Zespo e o W. W. da Matta (Mestre Yapacany), em que intitulam a Umbanda como a Aumbhandan: “conjunto de leis divinas”;
  • Umbanda Iniciática – É derivada da Umbanda Esotérica e foi fundamentada pelo Mestre Rivas Neto (Escola de Síntese conduzida por Yamunisiddha Arhapiagha), onde há a busca de uma convergência doutrinária (sete ritos), e o alcance do Ombhandhum, o Ponto de Convergência e Síntese. Existe uma grande influência Oriental, principalmente em termos de mantras indianos e utilização do sânscrito;

Amor – elo que nos liga ao PAI e a todos os universos

ENERGIO - Anunciação, O livro

Nos últimos dois anos tenho publicado no Bem Viver Apometria um pouco do muito que todos nós todos temos que aprender sobre os mais diversos assuntos, mas, um único e fundamental tema, transpassa cada uma das mensagens – O amor, elo que nos liga ao PAI e a todos os seres.

E hoje, não é por acaso que publico aqui entre vocês, com muita alegria o lançamento do primeiro livro dos Amigos da Constelação de NATO, onde tive a felicidade de ser o mensageiro por bondade do Mestre Jesus.

A primeira mensagem sobre o “Energio” data de 13 de Dezembro de 2008 e finaliza em 31 de setembro de 2009.  Minha preparação para escrever levou 03 anos, recebi os primeiros textos em 2005, quando se inicia os meus contatos com os amigos de NATO, desde então, os textos foram preparados para a edição e esteve a espera da permissão para torná-los públicos.

E neste ano de 2011, recebi a orientação para a publicação dos textos, o primeiro a ser lançado é o “Energio – Anunciação”. O livro é uma obra inédita sobre o despertar para uma nova linguagem entre seres de sintonia semelhantes [encarnados e desencarnados].

Diferente da telepatia que é uma técnica, o “ENERGIO” é uma comunicação mental de seres que vibram em uma mesma energia; a do amor.  O livro apresenta uma nova e simples linguagem de comunicação assim com os próprios idiomas distintos de cada povo.

Não há no seu uso nenhum misticismo ou prática fora dos preceitos cristãos, assim como não poderá haver nenhuma referência da obra a esta ou aquela religião, filosofia, seita ou linha religiosa, mas, sim, à vontade do PAI, que permitiu, por seu amor e bondade, promover entre todos os seus filhos uma única linguagem: a do amor.

As palavras iniciais sobre o “ENERGIO” são uma primeira luz sobre a comunicação através do mental. Mas, posteriormente as futuras canalizações trataram sobre as potencialidades do mental para se comunicar, ir e vir, transmutando-se no tempo e espaço.

Assim, como eu, você ira descobrir, que para o amor, não há distancia, barreiras ou idiomas, apenas vontade e; quando isso ocorre, estamos prontos para nos comunicar com todos os nossos irmãos, filhos do mesmo PAI, porque assim, nos é permitido!

Uma boa leitura!
Roberto Barros

Para saber mais;
http://livroenergio.wordpress.com/
Para adquirir a publicação;
http://www.agbook.com.br/book/40433–ENERGIO